5 de fevereiro de 2006

"(...)Saturada talvez não seja a palavra adequada para o momento que passei. É como se não tivesse necessidade de nada, sentia uma espécie de vazio pessoal. De qualquer forma, creio que é necessário que isso ocorra para sermos nós mesmos. Deixar que as coisas fluam, tentar não sentir nada, porque fomos ensinados a ter sempre um objetivo concreto, pressionados a nos expressar de maneira permanente. Não é fácil ser nós mesmos. A depressão é um pouco necessária(...)" - Juliette Binoche - matéria que saiu no jornal El País.

Então é isso... o que a atriz disse tem um pouco a ver com o que estou sentindo.
Saí do meu emprego porque queria fazer algo novo, diferente que no final não deu certo. Como já escrevi aqui, estava um pouco cansada de ir todos os dias para "capital" trabalhar.
E, agora, estou cansada de ficar em casa. Uma amiga disse uma vez: "ficar em casa tem seus encantos". Concordo e muito. Na verdade, não é que ficar em casa está cansativo, eu é que estou cansada de mim mesma. É muito complicado isso... queria ter coragem para dar um tempo mais uma vez.
A gente supera, eu sei. Eu supero...

4 comentários:

Maria disse...

Querida Márcia,

Ás vezes a vida nos dá pedras, para que possamos superá-las e provar que a fé em Deus e maior que tudo. Eu me aposentei á 2 anos, adoro ficar em casa, mas tb fiquei enjoada de ficar. Então o que eu fiz? Estou fazendo um curso de pós-graduação. Fiz novos amigos, papos diferentes, enfim outra realidade. Leio muito e procuro deixar a tristeza de lado.
Talvez você queira se encontrar cosigo mesma, a gente ten destas fases na vida. Procure se distrair com seus cachorrinhos,leia um livro bem divertido e deixe de lado um pouco o tricô, embora eu tb goste de tricotar, acha que ás vezes bitola a gente, então eu caio fora e faço outra coisa mais divertida. Espero que esta tua fase passe, se Deus quiser vai passar. Olhe as coisas com os olhos do coração e vais ver como tudo se torna florido. AH! ame muitooooooooooo!

Beijinhos Maria

Fezoca disse...

eu fiquei tres anos em casa, por uma circunstancia alheia a minha vontade. fui fazendo coisas e maiis coisas, e quando vi estava com a vida cheia. fiz muitos voluntariados. eh uma boa maneira de sair de casa, usar suas habilidades, conhecer gente. pra mim funcionou. mas entendo a frustracao. pra mim, que vivo num ambiente academico, era humilhante ficar respondendo sempre a mesma pergunta - o que voce faz? e ter que ficar explicando, explicando... argh! mas tudo tem mesmo uma razao. agora que voltei ao mercado de trabalho nao posso mais fazer algumas coisas que eu adorava fazer. a vida nao eh perfeita. BEIJAO! :-)

Adelaide disse...

Márcia, a insatisfação é o que nos leva a crescer... e depois da chuva o sol é muito mais bonito.
beijinhos

Anônimo disse...

Relaxa, Márcia! o ser humano é um eterno insatisfeito...e é dessa insatisfação que surgem os gênios!
beijinhos, fofa!
Kátia